quinta-feira, maio 30, 2013

Mudar de...poiso!

Amigos,  passo a estar aqui 

 Em http://blueshell.azurara.net

Grata pela presença.

My good friends...

I'll be here in the future
http://blueshell.azurara.net

Hope you go on visiting...

Hugs and Kisses to you all.

Um beijo em Azul...

BlueShell

terça-feira, maio 21, 2013

Ter o céu...


janel
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL

Da  janela do meu quarto

 beijo o azul do Céu, amor!



E vejo teu sono assim, tranquilo,
E sei o quanto tenho de
Graça Divinal:
Ter o céu e ter-te a ti
Quão sublime bênção sem igual…..

domingo, maio 12, 2013

O meu aluno Tiago

O Tiago é um aluno dos Efa (Educação e Formação de adultos) que lançou agora um tema da sua autoria e que convido a ouvir...
Dando os "primeiros passos" merece o nosso apoio.
Num meio em que pouco há...esta é uma vitória anunciada.
Parabéns Tiago.



terça-feira, abril 30, 2013

Este é



folg
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
Este é o povo que chora… lamenta a partida dos que procuram outras terras, longe, longe…. …que teme…que sofre e não entende…. Este é o povo que transporta, de geração em geração, o saber… …as tradições, os costumes… Este é o povo que faz filhos sem pressa e que depois, rotos e descalços, se tornam homens e mulheres de força. Homens e mulheres que trabalham no frio do inverno e esturricam sob o sol de agosto. Filhos vão à escola de mãos gretadas e unhas sujas da terra que amanham, da azeitona que apanham mas que a escola não entende, filhos que a escola humilha porque são diferentes: trabalham.

folg1
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
Este é o povo que somente conhece domingos e dias santos para vestir um fato que se guarda para ocasiões…porque todos os dias são dias de trabalho árduo, invisível aos nossos olhos. Sim, aos nossos, gentinha fútil que se passeia pela baixa de uma cidade qualquer deambulando…vendo montras onde a luz artificial é tão artificial como o sorriso do gerente que nos tenta vender um qualquer artigo obsoleto que não usaremos nunca…

Este é o povo que ri na arranca da batata, que brinca nas desfolhadas…que estruma as vinhas, que roça mato, que limpa os currais e faz a “cama” à criação. O povo que respeita os animais e se tem de os matar é por precisar de dar de comer a um “rancho de gente”! Este é o povo que não abandona os animais porque eles estão lá, companheiros de trabalho, dia após dia. Este é o povo que aprende numa outra escola, sem humilhação, sem marginalização….

folg3
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
Este é o povo que treme nas noites de trovoada, e reza como ninguém pedindo, entre soluços, que haja misericórdia…
Este é o povo esquecido… 
Este é o povo… 
O meu!

quinta-feira, abril 18, 2013

SER...



dif
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL


É tudo tão difícil…

Os gestos pesam, doem…

Solidão…companheira fiel de Horas certas…
Embala-me com jeito e deixa que o Tempo me leve
Por entre serras e rios…searas e lavradios…
[longe dos homens, longe da gente]
Até que rosas de pétalas aladas
Me esperem em leito eterno e silente….

quarta-feira, abril 10, 2013

O HOMEM DAS MUITAS CARAS...


Anda por aí um sujeito…(se é que se pode chamar sujeito “àquilo”) que tem várias pernonalidades distintas.
Numa delas, defensor da moral e dos bons costumes, mostra-se cordato e humilde (lol)
Mas quando veste a pele de qualquer das outras personalidades, transmuta-se passando a ostentar uma vaidade, uma arrogância exorbitante
. Então, sobretudo quando se senta atrás de uma secretária, fica irreconhecível, qual  Pavo cristatus da Beira Alta.
O curioso é que pensa que cada uma das suas personalidades é irresponsável pelos atos que as outras praticam.
Vamos ver até quando…

segunda-feira, abril 01, 2013

R.I.P. BONNI


gra1
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL

mbn4
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
Não tenho muitas palavras… Tenho lágrimas e saudade.
Tenho as memórias da tua fiel companhia ao longo destes 15 anos. 

Chegaste no bolso da jaqueta de ganga de uma ex-aluna…sem que o condutor do autocarro desse conta da tua presença, qual passageiro clandestino! E a minha primeira preocupação foi perguntar se tinha de te dar o biberão, de tão pequeno que eras.

Foste crescendo e foste das melhores coisas que nos aconteceu, a mim e ao dono, tu sabes. Teimoso, determinado, refilão… tive de te “ensinar” algumas regras. Sim, querias mandar. Querias ser gente e foste mais “gente” do que muita “gente” que conheço. Soubeste, à tua maneira, ser companheiro, fiel…estiveste presente nos bons e maus momentos das nossas vidas. E tu sabias, sem que nada fosse dito, quando a dona estava triste…ou preocupada. Sim, tu sabias. Das palavras dos humanos percebias algumas, muitas até. E amuavas, bem sabes que sim, quando algo não era do teu agrado. Mas logo estavas ali…para nós, para com a tua presença nos lembrares que “estavas bem” quando os donos “estavam bem”!

Lembro-me como gostavas de andar de carro, de deitar a cabeça fora do vidro e apanhar o vento …lembro como gostavas de te enfiar debaixo das mantas no inverno….ou de correr livre por entre as ervas altas, mais altas que tu…fazendo com que apenas se visse, a cada saltitar, a ponta do teu focinho e essas orelhas cobertas de “louros cabelos”…. Mas o banho…que inferno, Bonni. Era coisa que detestavas…o banho… Eu bem te dizia que era para ficares bonito…mas não havia argumento que te convencesse…”banho? Jamais”!

Pois, mas os anos passaram…e agora já te custava correr. A dona sabe que aos poucos foste ficando mais fraco, menos refilão… e, ao fim de 15 anos, o dono e a dona tiveram de te deixar partir.
Sei que sabias que tinha de ser. Soubeste-o antes de mim. E nos teus olhitos eu soube que era chegada a hora de te deixar descansar.

Doeu, Bonni! Porra, doeu muito. 

Mas acredito que haja um lugar onde agora estejas em paz, sem dores, sem frio….e onde possas encontrar afecto também. A dona e o dono vão lembrar-te sempre com muito carinho, tu sabes. Porque o sentiste, na despedida, sim, sentiste a nossa dor e soubeste que ias ficar sempre connosco. 
Obrigada, meu Bonni, “meu pequenino cão”, como eu te chamava…lembras-te?
mbn5
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
mbn7
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL



sábado, março 30, 2013

Uma Páscoa Feliz



pas
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL


A todos os que têm vindo ler-me...o desejo de

uma Páscoa muito Feliz


quarta-feira, março 20, 2013

MISSÃO



Num mundo de , cada vez mais, incertezas...
Num momento de deixar correr livres, as lágrimas...
Num tempo em que não se tem Tempo para nada...
num Tempo em que nos querem roubar a voz, 
a dignidade...
Num Tempo em a nossa Fé é perseguida com se devessemos dela nos envergonhar...
Num Tempo sem escolhas, só imposições...O querer ser livre é uma afronta...
E os pobres, sem mais do que sua revolta...a arrecadam pois que o medo é Rei e Senhor!
E calam, e sofrem e fazem seu luto pelos vivos deste tempo....

Eu sou das árvores os tronco que resiste às tempestades
pela força que me vem do Alto Céu.
Pela certeza de não estar só...
pela certeza de ter esta missão:
Não permitir que a voz dos pobres se dilua no Tempo,
Nem que grilhões ou mordaças  ressuscitem o Passado...

(Texto de BlueShell)



quinta-feira, fevereiro 21, 2013

Se nos temos...somos felizes!



amote
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
O Céu deixa meus olhos livres para sonhar  além da realidade.

E vejo o que mais ninguém vê. Sei o que mais ninguém sabe, amor.
Que importa o que possam dizer de mim? Que importa o que possam pensar de mim se te tenho a ti? A ti e à minha consciência que me iliba, me liberta e me dá força mais e mais ainda p’ra te amar?

amote2
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
Palavra alguma terá força para penetrar na concha que sou...na concha que me protege e nos protege, amor.

segunda-feira, fevereiro 11, 2013

Tu sabes...e eu sei disso!



tre1
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
Eis, uma cadela...sem coleira, nem trela....

tre
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
É feliz, ela, pois não tem dono...tem companheiro...
E nas escolhas que faz...
Quem decide é ela, quem decide é ela.....

quinta-feira, janeiro 31, 2013

Da melodia ...Pátria nossa!



reba1
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
Sei-te…

Da cor do rio , da cor das flores que despontam na memória…
Da melodia das gaivotas que povoam a minha vontade
De crescer em força e saber.
E os rebanhos que existem entre oliveiras são do povo
O erguer das bandeiras do sangue e do suor da luta
Sei-te…
Hoje mais que nunca, Pátria amada, aliada
 da terra,
 do vento,
 do mar,
 do fogo…
 que pulsa livre em cada praia, em cada serra…



reba
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL

sábado, janeiro 26, 2013

Julguei...(conclusão)



alun1
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
Agora, quase 30 anos depois ali estava eu, mais uma vez, à frente daqueles jovens.
A inocência …uma inocência que acolhe alguma traquinice, alguma irreverência e indisciplina  e que é preciso “dominar “… estava ali, como estivera quase sempre nos últimos anos.
Nunca quis ter, nas minhas aulas, os alunos aprumados como se de soldados se tratassem. Mas sempre lhes exigi respeito. Respeito por eles mesmos, respeito uns pelos outros, pelos pais que, lá fora, trabalhavam de modo a que eles pudessem ter o privilégio de frequentar a escola, e respeito por mim. E, dentro desse espírito, havia espaço para uma aprendizagem sem necessidade de grilhões, de coação ou constrangimento.  Mais: para além dos conteúdos indicados pelos programas havia sempre espaço para uma outra aprendizagem: valores como a humildade ,a honestidade, a misericórdia, a dignidade e outros, muitos… mas sempre sem impor as minhas convicções político-religiosas. E ralhei…ao mesmo tempo que dei afeto. Pois o que é o afeto se não houver reprimenda quando se erra? Quando se procede mal? Então há que repreender porque isso significa que nos importamos com eles, com esses jovens. E eles sentem isso. Sentem, numa repreensão o mesmo afeto que sentem num elogio. Não de imediato, obviamente, mas mais tarde, senti-lo-ão.
Sim, penso que fiz um bom trabalho ao longo desses anos.

alun
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
Mas hoje ao olhar aqueles jovens sinto que pouco lhes posso dar.
Há tanto cansaço, tanta desilusão….tantas horas na escola que em vez de serem para os alunos são para os burocratas…para gáudio dos que “vivem” em gabinetes “forrados  a papéis”!, com “cortinas feitas de papéis”…e por isso não veem para lá delas…não veem a realidade para lá das opacas janelas desses bafientos gabinetes!!!
Cansada de ter de concordar à força de ter de concordar… com um sistema que nada traz de profícuo a alunos…muito menos aos do interior…sempre ostracizados e esquecidos…como há 40 anos atrás!!!
Olho para eles e vejo, nos olhos de cada um deles, a pequena que fui…uma pequena guerreira que se aventurava de noite pela estrada de macadame para apanhar a carreira e poder ir às aulas. Uma pequena que se fez mulher e concretizou o sonho de ser professora. Uma professora que sempre cumpriu com os seus deveres, que sempre foi fiel aos seus princípios e, sobretudo, aos seus alunos. Uma professora que muito raramente dava uma falta. Apenas por doença ou nojo! Uma professora que dava mais tempo à escola do que à família. Que se obrigava a abdicar de tanta coisa em prol da escola que amava….
Lembrei-me agora…Uma dia, ou melhor, uma noite ia eu dar aulas a um curso de alunos adultos, coloquei mal o pé no degrau pois o patamar estava com as luzes desligadas e eu caí pelas escadas abaixo só parando no “cotovelo” da escadaria. Umas funcionárias que andavam a fazer a limpeza ouviram meus gritos e deram comigo toda enrodilhada e a gemer. Fui para o hospital e já não dei aulas essa noite. Mas ao outro dia lá estava eu: pois se não tinha nada partido nem deslocado…as equimoses não eram na língua e, mesmo sendo em quase todo o corpo,  não me impediriam de dar aulas…
Tinha os olhos daqueles jovens cravados em mim…queriam saber quem eu era, como eu era…que teria para lhes ensinar…e eu ali, diante deles com uma imensa vontade de desistir deles. Eu ali diante deles com um imenso cansaço, com um desalento tamanho…que chegava a doer….que ardia na garganta e me pesava no peito. Súbito…deixei de lhes ver os rostos e na minha mente surgiram duas imagens: as dos diretores das escolas e a do meu pai no caixão, no dia em que foi sepultado. Porquê essas duas imagens assim? Porquê? Então era por isso que não via o rosto de meus  alunos: meus olhos estavam plenos de lágrimas…e eu não queria que elas  transbordassem…não queria , meu Deus, não queria que me vissem chorar… não ali…, por favor, não ali….
Virei-me de costas e escrevi meu nome no quadro enquanto, disfarçadamente, secava as lágrimas.
Depois, com um ar autoritário, disse:
- Meu nome é Isabel M. e serei vossa professora.
Mas mentalmente pensei…. devia dizer-lhes era-“ Julguei que era meu dever ensinar…afinal querem que eu preencha papéis….e papéis...e papéis…”
Só que já tinha tomado uma decisão: não iria desistir deles: contra tudo e contra todos, sujeitando-me a todas a penalizações…o meu dever, a minha lealdade era, é e será para com os meus alunos: lutarei por eles mesmo que eles não o saibam nunca…

alun3
Serei guerreira novamente e vencerei porque lutarei pelo que é justo…e porque sei… que tenho comigo…todos os trunfos!


Salmos 118:6
O SENHOR está comigo; não temerei o que me pode fazer o homem.
The LORD is with me; I will not be afraid. What can man do to me?

sexta-feira, janeiro 18, 2013

Julguei que era meu dever ensinar…



prof
(Foto e texto de BlueShell)- PORTUGAL
À minha frente rostos inquiridores! Quase tudo meninas, só um rapaz.
Feitas as apresentações coloquei as regras, muito claras, para que não houvesse “surpresas desagradáveis”!
Quase todos os alunos viviam fora da cidade à exceção de uma menina.
Estatuto social…baixo….
Dificuldades…muitas, a todos os níveis.

Lembrei  a minha infância. O ter de ir a pé por meio de matas até à paragem da “carreira”…cedo, ainda escuro… E à noite, no regresso, o mesmo percurso. Depois o ter os deveres para fazer, o sono a vencer-me as forças…
E tinha sorte porque colegas meus ainda tinham de ajudar os pais a recolher os rebanhos, a ordenhar, a fazer a vianda para os porcos, em currais húmidos e fétidos.
Boa aluna, sempre. Aplicada, sabia que queria ser professora e sabia que tinha de me esforçar: meus pais faziam um imenso sacrifício para eu poder estudar. O mínimo que eu poderia fazer era ser boa aluna.

Toda a minha vida estudantil decorreu sem incidentes…quase sem incidentes…até ao dia em que fui fazer um exame de Inglês. Era  a nível nacional. Falava de desportos “radicais" à beira mar como o “surf” e outros…cujo nome desconhecia….
-“ Mas que raio sei eu disto??? Porventura sabem que vivo à beira da Serra? Vi o mar algumas vezes, sim…mas colegas meus nunca viram o mar!”
Fiz o exame e tive uma boa nota. Mas aquela imagem de que poderia ter feito melhor se o texto me “dissesse” algo…ficou cá, como um estigma!
(continua)